terça-feira, 5 de novembro de 2013

Lesão 3 (Parte I)

Desculpa, Shakira! 

Oi, meu nome é Fernanda e meu sobrenome  é  (era) lesão!

Eu comecei a correr velha, considerando que tem gente que começa com 16 anos. Eu tinha 27 para 28 anos e vinha de uma fase de sedentarismo e esbórnia, até que deu o estalo e resolvi que precisava mudar de vida, e que correr era questão de honra. Mas essa é uma outra história...

E desde que comecei a correr já tive algumas lesões, todas no quadril. Já contei aqui no blog sobre a minha fratura por estresse no púbis no ano passado (aqui ó!). 



Acontece que esse ano não passei ilesa... Claro que não! O "x" da senhora lesão reluz na minha testa como louco! 

Em julho eu senti muita dor no quadril esquerdo durante um treino de 14km no Ibirapuera. Era uma dor intensa quando eu apoiava o pé no chão. Mas terminei o treino, daquele jeito, e fui pra casa. Essa dor já estava comigo, mas ignorei. E ela começou no treino de musculação, fazendo leg press, ou seja, desta vez não foi culpa da corrida! Ufa! 
Desde então mancar fez parte do meu dia a dia. Tanto me acostumei a mancar, que nem percebia mais o quanto ponto e vírgula eu estava! E tinha uma preocupação master no meio dessa dor: no final do mês eu tinha os 21km na Golden Four da Asics, e era exatamente no dia do meu aniversário... Ou seja, ou corria ou teria o pior dos aniversários ever! 

Foi então que, por indicação da Blog Da Debs, procurei o fisioterapeuta David Homsi. E comecei uma fisio preventiva, que de peventiva não tinha nada, pq já estava com dor, né!? Ele me indicou o Dr Marcelo Queiroz, ortopedista especialista em quadril, pra gente poder fazer um trabalho direcionado para o problema. Porque até então eu era uma manca que tinha dor, mas o pq da dor, de onde vinha e afins, não tinha a menor ideia.

Fui no consultório dele numa quarta-feira, a corrida seria no domingo. Ele fez as manobras, questionou, avaliou, e disse que provavelmente era uma lesão no labrum do acetábulo (lesão labral), e pediu ressonância. 
Uma explicação do que é isso
http://danieldattilio.blogspot.com.br/2011/06/lesao-do-labrum-do-quadril.html
Minha maior dúvida, óóóbvio, era: mas eu vou poder correr? Ele foi bem tranquilo, e disse que se eu estivesse sem dor poderia correr. 

Esse depoimento aqui eu fiz no dia seguinte da prova, acho que dá pra sentir um pouco a pilha que estava:
Véspera do meu aniversário e da Asics G4, levanto e... MANCA! Dor no quadril voltou. Ok, sem desespero, acalme-se, é só um quadril fanfarrão querendo te trollar, Gordola! Fui buscar o kit, me preparei psicologicamente no dia anterior para correr ou se fosse preciso, abortar a corrida. Só quem já ficou meses sem poder correr sabe o que é esse fantasma assombrando, por isso, seria prudente. Só correria se estivesse me sentindo pronta pra isso. Dia 28/07, meu aniversário, levanto cedo pra caceta, tomo meu café da manhã, me "fantasio" de corredora, faço gelo antes de sair de casa e vou pra prova, ainda sem saber se correria ou não, pq ainda estava incomodando a dor. Cheguei na tenda, conversei com meu amigo/coach e resolvi encarar, mas sabendo que se fosse preciso eu pararia, e não seria a morte. Trabalhei a cabeça pra isso. Fui na largada ainda incerta da decisão, mas com a certeza que queria a medalha, treinei pra isso, e porra, era meu aniversário! Meu presente pra mim era essa medalha! Resolvida, fui! Essa corrida foi uma corrida de cabeça e não de pernas ou esforço físico, foi interinha de cabeça. Corri os 21km tensa, com medo de sentir dor e ter que abandonar. Mas se eu disser que foram longos 21km, doloridos, penosos, estarei mentindo, pq foram os km em que mais tive a certeza de que eu posso fazer o que a mente acredita. Queria fazer tempo? Queria, óbvio que queria! tinha meus planos secretos sobre isso, mas não deu, não era pra ser. O que sei é que FODA-SE o tempo, eu quero é CORRER PRA SEMPRE, sentir essa coisa boa que a corrida me proporciona, isso que há 3 anos atrás eu senti na minha primeira prova de 5km e que não me fizeram mais parar. Não sou paga pra correr, pelo contrário, pago e muito caro pra ter essas medalhas, por isso quem sabe de mim sou eu! E eu sei que foi do caralho a prova ontem! Melhor presente ever que poderia me dar de aniversário! Poderia passar km a km aqui, descrevendo toda a sensação que tive, mas não importa, pq isso é MEU! E ninguém tasca! Não estou frustrada por não ter dado certo o meu planejado, estou feliz, realizada, por não ter desistido!

Sai da prova e já no gelo, e analgésicos! O pós prova tive dores, mas nada além daquelas que já me acompanhavam desde então. Ou seja, não houve piora.
Essa cara de tirça eu sempra faço! rs
Passada a euforia, volta a realidade. Fiz a RM e não apareceu a lesão em si, mas ainda tinha dores, ainda era manquetola, e ainda não conseguia correr. Pq depois da Golden Four eu não me arrisquei correr, pq sabia que ia ser frustrante e nada prudente da minha parte. 

Mesmo sem correr, acreditava que em outubro eu conseguiria fazer Maresias-Bertioga, 2 trechos! Estava tudo certo pra acontecer isso, pelo menos na minha cabeça! Sonhar não custa nada, né!? rs... Até que conversando com o médico ele disse que como não havia melhorado, a possibilidade de cirurgia era enorme. Ploft! Cai pra trás! E ele me deu como data prazo até outubro (a média de melhora em casos de lesão labral é de uns 3 meses após verificada a lesão). Caso a dor persistisse a faca seria a solução. Claro, abortei a ideia de Maresias-Bertioga! rs
E mais óbvio ainda, surtei! rs
Comecei com umas contas loucas de meses parada, e seria melhor se fizesse a cirurgia logo! Louca da faca total! Paranoica!

E o resto dessa saga eu conto no próximo post! Há! 

Beijocas da Gordola!

Nenhum comentário:

Postar um comentário