segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Lesão 3 (Final!)

Finalmente vou falar sobre a infiltração!

Depois de todo trâmite de plano de saúde, foi marcado o procedimento para um sábado.
Conversando com quem já tinha feito ou conhecia história de alguém, todos eram unânimes: doía pra caceta! Imagina que animador! rs
Conversei com a minha médica e com o Dr Marcelo e ambos tb eram unânimes: não doía nada! rs
Mas e agora? Dói ou não?
Eu estava com mais medo de sentir dor que qualquer coisa, mas queria acabar logo com isso, tirar o fantasma da faca da minha cabeça.

Chegou o dia!
O procedimento estava marcado para às 15h30min, mas tinha que chegar no hospital com 1h de antecedência.
Na minha cabeça era chegar lá, assinar os papéis de praxe, levar uma agulhada gigante no local da lesão e vazar. Tipo rapidex! Procedimento express! Ledo engano...
Cheguei, papelada e... Internação! Oi? Internada?
Não estava entendendo nada... rs
Mas ok! Fui para o quarto aguardar as coordenadas.
Veio uma enfermeira, verificou pressão, glicemia, fez mil perguntas sobre alergias e afins e disse que logo viria me buscar.
Até que ela e um enfermeiro chegaram com uma maca (oi? rs), e me levaram para a sala de pré-operatório (oi?! rs).

Gente, é sério, eu não fazia a MENOR IDEIA de como era esse tal desse procedimento. E hoje eu vejo que a minha ignorância a respeito de todo esse ritual foi ótimo, pq a única expectativa e informação que eu tinha era da dor!  E isso já me bastava!
Uma gracinha!kkkk
Fiquei esperando no pré-op com uma outra menina, com a mesma lesão que eu e que tb faria o mesmo procedimento com o Dr Marcelo. Isso me acalmou um pouco. Não que eu estivesse nervosa, mas estava ansiosa. Muito tempo sem nada pra fazer, só na espera, na expectativa do que viria, e isso me deixou inquieta por dentro. Mas ver outra pessoa na mesma situação que a minha me fez dar uma respirada!

Quase!
Ela foi primeiro. E eu lá... deitada numa maca esperando! Esperei tanto, que teve um momento que achei até que fosse tirar um cochilo! E até a expectativa diminuiu!

Enfim!
Finalmente eu fui!
Me levaram para um sala de cirurgia (oi? rs), com tudo aquilo que tem no Grey's Anatomy! Sim, foi minha estreia em salas de cirurgia! rs
Estavam me arrumando para o fatídico momento, até que eu vejo na mesa de cirurgia a agulha.... Não imaginava que existia uma agulha tão grande assim! E pior, aquela bagaça ia entrar no MEU quadril!
Foi nesse momento que eu resolvi desencanar, por incrível que pareça. Já estava ali, ia passar por aquilo de qq forma, então ou eu sossegava, ou ia ser mais sofrido ainda.

Dr Marcelo foi um fofo comigo, super tranquilo para explicar tudo e muita paciência de tanto que perguntava se ia doer! rs
Na hora da agulhada eu virei o rosto para não ver ela entrando, até fizeram uma cabaninha tampando o lado esquerdo pra eu não ver nada! Mas eu virei a cara bem para o monitor de raio X, que servia como orientação para o médico ir ao local exato da lesão. E por ele eu vi a agulha atravessada! Mais parecia um dardo de sossega leão, sabe? rs
E a dor? NADA! Só um incomodo mínimo quando o líquido foi injetado e uma dorzinha/choque quando ele "cutucava" os nervos próximos. Na boa, quando fui no fisio milagreiro (Dr Atef!) em Santos doeu muuuuito mais!
O procedimento foi super rapidinho, cerca de uns 15min. Depois o médico me passou algumas orientações, remédios e eu fui levada para o quarto. Veio lanchinho, e recebi alta. Sai do hospital era mais de 22h, ou seja, nada a ver com o que eu imaginei! rs

O depois!
No dia seguinte o médico disse que quando passasse o efeito anestésico eu sentiria muita dor... estou esperando essa dor até agora!
Na segunda-feira seguinte eu voltei ao hospital para fazer a RM, e ela realmente indicou uma lesão no labrum do acetábulo, ou seja, o Dr Marcelo estava certo no diagnóstico desde o princípio. Mas como estou assintomática desde então, não foi preciso fazer nada. A faca está suspensa, e espero que continue assim pra todo sempre, amém! rs

Minha conclusão!
O que eu posso dizer sobre o procedimento? Dor é algo muito, mas muito pessoal. Tem gente que sente mais dor que outras, talvez por isso eu não tenha sentido toda essa dor que alguns disseram sentir. Outro fator que deve influenciar é o local da infiltração, não sei, mas talvez isso tenha a ver.

Dor aliviada! Nunca pronta pra outra! 
Hoje estou com dores (por isso do meu sumiço... dor = bode! rs), mas são dores novas! Não são as dores da lesão, e ainda estamos investigando! Mas já estou melhorando! Isso que importante! Nada de deixar a peteca cair! ;)

Se tiver alguma dúvida, ou algum ponto que ficou vago e vc queira saber, pergunte!!!

Beijocas da Gordola!

PS: Queria pedir desculpas pelo chá de sumiço... Eu sei que isso não se faz, e estou #chateada por ter desaparecido. But, I'm back, babies! ;)

sexta-feira, 8 de novembro de 2013

Lesão 3 (Parte II)

Continuando a saga da última lesão que Gordola passou! - Espero que seja a última das últimas mesmo!

Como disse no post anterior, eu comecei a surtar, pirar na maionese, batatinha, em tudo! Fazia uma contas de quanto tempo eu precisaria ficar parada caso a solução derradeira fosse mesmo a cirurgia. Esse surto durou no máximo grau por uma semana. Nisso, entrei em blogs, páginas, pesquisei tudo que podia sobre como era a cirurgia, o pós operatório, enfim, foi uma semana intensa de leituras e pensamentos nada agradáveis. Mas de repente, assim, do nada mesmo, resolvi parar de encanar com isso. E esperar as coisas acontecerem, deixar fluir.

Fui no Dr. Marcelo, enchi de perguntas. Fui em outra médica do esporte, indicação de um grande amigo ciclista, tb enchi de perguntas. E nessa médica, Dr. Fernanda Lima (não, não é a modelo! :P), que me toquei que na ressonância não tinha dado a tal lesão labral. Ela fez todos os exames e pediu uma ressonância da coluna, pq desconfiou que tinha uma possível hérnia de disco (não constatou, ufa!). E também pelos exames clínicos ela verificou uma Síndrome da Dor Miofascial (aqui), e pediu que o David Homsi fizesse uma soltura de fáscia.

Bixo, pensa numa dor do caralho (desculpa, mas o palavrão é necessário aqu! rs). Então, triplica! Dói demais essa tal soltura. Mas assim, dói muito! E olha que nesse meio tempo* fui com a Debs - olha ela de novo! -  para Santos, em um fisioterapeuta, que eu o chamo de milagreiro! O Dr. Atef fez alguns choques, um pouco de soltura, uso de ventosas, acupuntura... E tudo isso não doeu TANTO quanto a soltura de fáscia propriamente dita! Fiquei toda roxa! Uma gracinha! Mas deu uma melhorada, não posso negar.
* Lembrando que a cronologia praticamente não existe, pq tudo aconteceu muito rápido, questão de 3 semanas.
Roxo é pouco, né!? rs
Voltei ao Dr. Marcelo e disse sobre o dignóstico da Dr. Fernanda. E ele continuo certo que a lesão era labral, e que por ser possivelmente muito pequena não aparecia na RM, e que uma forma de "pegá-la" em imagem seria fazer infiltração, que essa serviria como um contraste.
O mais bacana disso tudo, é que os meus médicos e fisio se falavam! Isso deu muita segurança e muita tranquilidade. Saber que vc está sendo bem assistido não tem preço!

E se o procedimento (infiltração) era necessário, ok, vamos a ela! Ah! Nem pensava mais na cirurgia, pq tudo agora dependia dessa etapa, então resolvi que seria uma coisa por vez! Primeiro fazer a infiltração, e se tiver lesão veremos o que vem depois...

E a história da infiltração fica para um próximo post! Há!

Beijocas da Gordola!

terça-feira, 5 de novembro de 2013

Lesão 3 (Parte I)

Desculpa, Shakira! 

Oi, meu nome é Fernanda e meu sobrenome  é  (era) lesão!

Eu comecei a correr velha, considerando que tem gente que começa com 16 anos. Eu tinha 27 para 28 anos e vinha de uma fase de sedentarismo e esbórnia, até que deu o estalo e resolvi que precisava mudar de vida, e que correr era questão de honra. Mas essa é uma outra história...

E desde que comecei a correr já tive algumas lesões, todas no quadril. Já contei aqui no blog sobre a minha fratura por estresse no púbis no ano passado (aqui ó!). 



Acontece que esse ano não passei ilesa... Claro que não! O "x" da senhora lesão reluz na minha testa como louco! 

Em julho eu senti muita dor no quadril esquerdo durante um treino de 14km no Ibirapuera. Era uma dor intensa quando eu apoiava o pé no chão. Mas terminei o treino, daquele jeito, e fui pra casa. Essa dor já estava comigo, mas ignorei. E ela começou no treino de musculação, fazendo leg press, ou seja, desta vez não foi culpa da corrida! Ufa! 
Desde então mancar fez parte do meu dia a dia. Tanto me acostumei a mancar, que nem percebia mais o quanto ponto e vírgula eu estava! E tinha uma preocupação master no meio dessa dor: no final do mês eu tinha os 21km na Golden Four da Asics, e era exatamente no dia do meu aniversário... Ou seja, ou corria ou teria o pior dos aniversários ever! 

Foi então que, por indicação da Blog Da Debs, procurei o fisioterapeuta David Homsi. E comecei uma fisio preventiva, que de peventiva não tinha nada, pq já estava com dor, né!? Ele me indicou o Dr Marcelo Queiroz, ortopedista especialista em quadril, pra gente poder fazer um trabalho direcionado para o problema. Porque até então eu era uma manca que tinha dor, mas o pq da dor, de onde vinha e afins, não tinha a menor ideia.

Fui no consultório dele numa quarta-feira, a corrida seria no domingo. Ele fez as manobras, questionou, avaliou, e disse que provavelmente era uma lesão no labrum do acetábulo (lesão labral), e pediu ressonância. 
Uma explicação do que é isso
http://danieldattilio.blogspot.com.br/2011/06/lesao-do-labrum-do-quadril.html
Minha maior dúvida, óóóbvio, era: mas eu vou poder correr? Ele foi bem tranquilo, e disse que se eu estivesse sem dor poderia correr. 

Esse depoimento aqui eu fiz no dia seguinte da prova, acho que dá pra sentir um pouco a pilha que estava:
Véspera do meu aniversário e da Asics G4, levanto e... MANCA! Dor no quadril voltou. Ok, sem desespero, acalme-se, é só um quadril fanfarrão querendo te trollar, Gordola! Fui buscar o kit, me preparei psicologicamente no dia anterior para correr ou se fosse preciso, abortar a corrida. Só quem já ficou meses sem poder correr sabe o que é esse fantasma assombrando, por isso, seria prudente. Só correria se estivesse me sentindo pronta pra isso. Dia 28/07, meu aniversário, levanto cedo pra caceta, tomo meu café da manhã, me "fantasio" de corredora, faço gelo antes de sair de casa e vou pra prova, ainda sem saber se correria ou não, pq ainda estava incomodando a dor. Cheguei na tenda, conversei com meu amigo/coach e resolvi encarar, mas sabendo que se fosse preciso eu pararia, e não seria a morte. Trabalhei a cabeça pra isso. Fui na largada ainda incerta da decisão, mas com a certeza que queria a medalha, treinei pra isso, e porra, era meu aniversário! Meu presente pra mim era essa medalha! Resolvida, fui! Essa corrida foi uma corrida de cabeça e não de pernas ou esforço físico, foi interinha de cabeça. Corri os 21km tensa, com medo de sentir dor e ter que abandonar. Mas se eu disser que foram longos 21km, doloridos, penosos, estarei mentindo, pq foram os km em que mais tive a certeza de que eu posso fazer o que a mente acredita. Queria fazer tempo? Queria, óbvio que queria! tinha meus planos secretos sobre isso, mas não deu, não era pra ser. O que sei é que FODA-SE o tempo, eu quero é CORRER PRA SEMPRE, sentir essa coisa boa que a corrida me proporciona, isso que há 3 anos atrás eu senti na minha primeira prova de 5km e que não me fizeram mais parar. Não sou paga pra correr, pelo contrário, pago e muito caro pra ter essas medalhas, por isso quem sabe de mim sou eu! E eu sei que foi do caralho a prova ontem! Melhor presente ever que poderia me dar de aniversário! Poderia passar km a km aqui, descrevendo toda a sensação que tive, mas não importa, pq isso é MEU! E ninguém tasca! Não estou frustrada por não ter dado certo o meu planejado, estou feliz, realizada, por não ter desistido!

Sai da prova e já no gelo, e analgésicos! O pós prova tive dores, mas nada além daquelas que já me acompanhavam desde então. Ou seja, não houve piora.
Essa cara de tirça eu sempra faço! rs
Passada a euforia, volta a realidade. Fiz a RM e não apareceu a lesão em si, mas ainda tinha dores, ainda era manquetola, e ainda não conseguia correr. Pq depois da Golden Four eu não me arrisquei correr, pq sabia que ia ser frustrante e nada prudente da minha parte. 

Mesmo sem correr, acreditava que em outubro eu conseguiria fazer Maresias-Bertioga, 2 trechos! Estava tudo certo pra acontecer isso, pelo menos na minha cabeça! Sonhar não custa nada, né!? rs... Até que conversando com o médico ele disse que como não havia melhorado, a possibilidade de cirurgia era enorme. Ploft! Cai pra trás! E ele me deu como data prazo até outubro (a média de melhora em casos de lesão labral é de uns 3 meses após verificada a lesão). Caso a dor persistisse a faca seria a solução. Claro, abortei a ideia de Maresias-Bertioga! rs
E mais óbvio ainda, surtei! rs
Comecei com umas contas loucas de meses parada, e seria melhor se fizesse a cirurgia logo! Louca da faca total! Paranoica!

E o resto dessa saga eu conto no próximo post! Há! 

Beijocas da Gordola!

sexta-feira, 1 de novembro de 2013

Mais leveza, por favor!

Já aviso de antemão que este post é um desabafo de quem está um tanto quanto farta... 


Simplica, e então acrescenta leveza!
O ato de se levar muito a sério é algo me deixa em choque. E quando levam a sério demais coisas bobas? Vixe! Danou-se de vez!

Hoje em dia tem que tomar cuidado ao fazer piada, ao falar o que pensa, ao fazer o que gosta... Tem que ter dedos o tempo todo, sensação de pisar em ovos a cada passo, se poupar nos atos. Pq sempre vai ter alguém de plantão pra dizer que isso não pode, isso é fora de moda, isso engorda, isso é feio, isso é antiético, blá, blá, blá... Cagas regras!

Mas gente, tá errado isso! Tá tudo errado! Cadê a leveza, a sinceridade, a auteticidade, a personalidade??? Vamos todos agora sermos iguaizinhos, moldadinhos? Ah! Eu não quero isso pra mim não! Desculpem-me!

Quero poder rir a toa e sozinha, poder ter meu sarcasmo, fazer minhas piadas babacas, comemorar Halloween, não gostar de Natal, não querer falar de política, não acompanhar o Corinthians em todos os jogos, comer meu sorvete com bolo quente, comer salada e não enxergar isso como um martírio, cabular a planilha, ficar de mau humor, ser crente e descrente de acordo com o que o meu momento pedir, quero sorrir e chorar no mesmo dia, se pá na mesma hora, quero poder mudar de opinião... E quero que tudo isso seja leve, natural, não importa se é assunto banal ou não! Quero que as coisas que venham e aconteçam pq são pra ser, não pq eu faço tipo! Como diz a música, deixar acontecer naturalmente!!

Tá ficando chato esse mundo onde o politicamente correto mede nossos atos e nos nivela. Todo mundo mais robozinho que as respostas da Siri no IPhone... Chatice isso!

Leveza, meu povo, leveza! Paremos de nos levar a sério, de querer ser algo que não somos... Tá ficando tudo muito óbvio, e o óbvio chato! Quer surpresas, quero ser surpreendida e surpreender! Quero ter o direito de ser eu! Chega de mimimi por nada! Chega de bobices!

Se é pra ter um projeto de vida o meu é MAIS LEVEZA, POR FAVOR! 
#maisleveza
Vamos comigo?

É isso!!!
Beijocas leve da Gordola!